Páginas

sábado, 26 de fevereiro de 2011

Notícias do DF: Dilma tenta emplacar advogada no TSE


A reportagem acima, de O Globo, do dia 24, não se constitui em nenhuma surpresa, quando já se conhece a ascendência do Executivo sobre o Legislativo e o Judiciário, este último de forma tanto ou mais acintosa e escandalosa quanto ao primeiro, quando o Executivo o deixou capenga em sua composição por mais de 6 meses (desde agosto do ano passado), motivo que levou a Corte das togas superiores, em discussões memoráveis, para não dizer bate-boca vergonhoso,  a não solucionar impasses ou empates em julgamento, principalmente em matéria eleitoral (matéria "Cadeiras no STF").
O que chama a atenção na reportagem é a retirada do nome de um advogado da lista tríplice - já definitiva - para escolha de quem ocupará assento no TSE, o Superior Eleitoral para, em seu lugar, incluir o nome da advogada de campanha da que já veio, e de outras figuras carimbadas da República.
Ministros Marco Aurélio e Gilmar Mendes se posicionaram contra a substituição protagonizada pelo Ministro Ricardo Lewandowski que, além de assento no Supremo, é o atual presidente do Superior Eleitoral; não custa lembrar que este último, como outros, foi levado para a Corte das togas superiores, pelas mãos do que já se foi.
As justificativas constam da reportagem, às quais, por risíveis, e que denotam compadrio, nos escusamos comentar e com elas perder tempo.
O que realmente deve ser destacado, caso o intento se concretize, será o controle "absoluto" dos demais poderes pelo Executivo, já de conhecido viés autoritário, o que nos anima a renovar sugestão de agrupamento de propósitos honestos e decentes para fazer frente ao poder da dominação, como, igualmente, o que já sugerimos outras vezes, no tocante à composição dos tribunais superiores.
Como já dissemos em outras paragens, os resultados que nos inspiram, no nosso regime democrático, de sistema presidencialista, que bem poderia ser parlamentarista, como desejam alguns, são absolutamente desanimadores.


 JabaNews

2 comentários:

  1. Quando o Judiciário e o Legislativo são subordinados ao Executivo, deixamos de ter democracia. Logo, desde o Mensalão, estamos numa ditadura, numa latrocracia

    ResponderExcluir
  2. olá fusca,
    democracia travestida de autoritarismo.
    abs.,
    jabanews

    ResponderExcluir