Páginas

terça-feira, 21 de junho de 2011

Comentários da Jurema em "A quadrilha tomou conta! Doc. n° 123-2011"

Jaba, (é assim que devo te chamar?)


A colocação é muito interessante e pertinente. Mas infelizmente o pessoal do Grupo Guararapes (que admiro muito) tem uma visão muito patriótica e pouco prática da situação que tomou conta do nosso país, que está moralmente em frangalhos.


Há pouco tempo, saiu no jornal o resultado de uma enquete feita entre os brasileiros. SETENTA E TRÊS POR CENTO dos que responderam à pergunta disseram que FARIAM A MESMA COISA QUE FAZEM OS POLÍTICOS, SE ESTIVESSEM NO LUGAR DELES. É para deixar qualquer um desesperado.


A moça que fazia um trabalho aqui em casa contou, toda envaidecida, como fazia para roubar o Supermerdado quando trabalhava no caixa.


O Brasil não mereceRIA ser chamado de covil. Mas o país perdeu a noção de decência. A maior parte dos brasdileiros perdeu a dignidade. Não têm mais vergonha de roubar e muito menos de pedir.


O jeito é zerar para começar de novo. Deveria ser feita uma revolução para esvaziar todo o Congresso. É de lá, principalmente, que sai a idéia de 'aproveitamento ilícito' como esperteza, não como safadeza.

Olá jurema,

Jaba, jabanews, meu caro etc., tanto faz, o que conta, querida leitora, é o respeito recíproco.

A turma dos Guararapes é uma turma muito boa, em suas linhas, em tom de desabafo, demonstrou toda sua indignação quanto ao que vem acontecendo no país, e vou mais longe, ou seja, ao tempo em que o cara do maranhão, vice de uma eleição ainda por colégio eleitoral, se fez presidente da noite para o dia.

O respeito à patria foi se perdendo no governo dos "civis", do qual, um articulista do jornal dos marinhos, no caderno "opinião", chegou a afirmar tratar-se de "longeva democracia que restabeleceu a hegemonia do poder constituído civil" (matéria de março passado, sob o título Comentários do Sicário em "Finalmente!").

Se não for piada, não sei a que democracia se refere o articulista.

A noção de respeito à Pátria, aliada, ainda, à perda da noção de cidadania e civilidade, que de forma mais acentuada se perdeu nos últimos 8 anos e 6 meses, por terminar, decorre, entre outros fatores, do auge da corrupção disseminada nos cantões do País, principalmente na capital Federal.

Não há como dissociar essa realidade do que acontece fora do poder, seja nas situações narradas nos seus comentários, seja em situações mais sofisticadas, quando se escala o alcunhado nível social, no qual, ainda, se encontram os espertos que se sentem em júbilo quando enganam o “Manuel” no troco do cafezinho.

Lá no blog “Vindo dos Pampas”, consta matéria intitulada “Vida de Pai (brasileiro)”, muito apropriada à questão, da qual, em não impossível diálogo de um pai com seu filho de dez anos, destaca-se a influência da criminalidade política na gurizada, ao nível, inclusive, da adolescência; tornaram-se fatos corriqueiros, a imprensa os noticia quase que diariamente.

Igualmente, nos blogs do Fusca, Brasil-Liberdade e Democracia e O Mascate, constam linhas de excelência sobre o tema.

Concordo com a turma dos Guararapes que o Brasil não é um Covil de ladrões e corruptos, mas está se transformando no seu paraíso, em passo mais do que acelerado, nunca antes visto neste País, com o apoio explícito dos poderes constituídos e talvez, até mais rápido do que a projeção de velocidade para o trem-bala. Creio que trazer-se ao conhecimento da gurizada, o “Soneto à Pátria” de Olavo Bilac, fosse uma alternativa salutar para tentar incutir respeito, dignidade, civilidade, cidadania etc. na mente da garotada.

Da mesma forma concordo com você que há de se começar do zero; o limite do inaceitável já ultrapassou os seus próprios limites, notadamente com a condecoração de um aprendiz de guerrilheiro fujão – matéria “Começar do Zero”, maio passado.

És sempre bem vinda.

Abs,


P.S.: faço um adendo na questão educacional, envolvendo o Soneto do Bilac: isso só terá curso se ultapassado o obstáculo do processo de "imbecilização" extrema que está em andamento no governo federal (com minúsculas, mesmo), ou seja, MEC - mediocridade em crescimento.




2 comentários:

  1. OLÁ JABA.
    MATÉRIA INTERESSANTÍSSIMA E VOU DAR MINHA OPINIÃO.

    O BRAZIU (COM Z E U) SE TORNOU O PARAÍSO DOS CORRUPTO, LADRÕES, DROGADOS E AFINS)E MAIS: EM BREVE NOSSA CLASSE (HOMEM, MULHER, HONESTO, PROBO ETC..) SERÁ EXTINTA.

    ABS DO BETOCRITICA.

    ResponderExcluir
  2. Olá Beto,
    Já tinha me preocupado com o assunto, em paragens anteriores.
    Se o fato ocorrer enquanto vivo for, e não conseguir impedir, independentemente dos meios empregados, que se dissemine, vou me converter ao fundamentalismo, tornando-me o primeiro "fundamentalista paraibano" do brasil e do planeta (matéria do mesmo nome), e mandar bala nessa turma de frescos e hipócritas.
    Abs.,
    Jaba

    ResponderExcluir