Páginas

sexta-feira, 22 de julho de 2011

Desgraça pública

DESGRAÇA PÚBLICA
Quando vejo aumentar o número de DAS só me lembro do aumento da burocracia. Mais papeis e muitos carimbos. Todo brasileiro precisa ir até o gabinete de uma prefeitura do Brasil, de norte a sul ou de leste a oeste. Teremos um guarda na porta conversando e na primeira sala, no mínimo três mesas, com computadores e uma conversa sem fim. Nas câmaras das mais de 5.000 prefeituras, há mais funcionário do que cadeira e mesa. È só fazer a experiência. Todos mamando nas tetas do governo.
“A coisa mais importante e mais decisiva, nessa mudança, é que, na mata todos tinham se engajado por uma causa, dispostos a sacrificar a vida. Hoje, vivendo confortavelmente em palácios, cercados por exércitos de empregados e guarda-costas, vocês perderam a grandeza de alma dos homens honestos. A riqueza e a glória transformaram o homem em animal doméstico”. Esta grande verdade é escrita por Duong Thu Huong, grande escritora vietnamita, que foi presa por defender os direitos humanos, na sua terra Natal.
“Desprezo as pessoas sem educação e os ignorantes. Desprezo as pessoas pomposas e falsas. Desprezo os invejosos e os insignificantes. Desprezo as criaturas pequenas, que não têm vergonhas de ser tão pequenas e inúteis”. (John Fowler no seu livro o COLECIONADOR)
“Amo a liberdade, a honestidade e generosidade. Amo criar, amo fazer, amo viver uma vida cheia. Amo tudo o que não está imóvel, que não está morto. Amo todo aquele que não copia, e sim, aquele que cria para a grandeza do espírito”. (gen Torres de Melo ao deixar o cargo de vereador de Fortaleza).
Esta introdução faz-se necessária, pois o Brasil vive um momento sem grandeza. Roubam-se e batem-se palmas. Avança-se no dinheiro público e elege-se senador. As catástrofes são aproveitadas pelos demagogos e a verba enviada para amenizar o sofrimento dos atingidos pela força da natureza é raptada pela canalha.
Pregavam honestidade e tornaram-se gatunos da coisa pública. Os escândalos - MENSALÃO – MINISTÉRIO DO TRANSPORTE E CASA CIVIL confirmam os raptos. Gritavam por liberdade e tinham-na, e, no PODER, defendem assassinos, como o italiano BATTISTI, os assaltantes do MST ou o bandido ZÉ RAINHA.
“Tudo o que se faz grande no mundo foi feito sob o sentimento do dever. Tudo que se fez de miserável foi feito em nome do interesse”. (Lacordaire). O Brasil cresceu de 1964 até 1985, pois os governos pensavam no dever (Tucuruí, Portos, estradas, comunicações, pontes, hidroelétricas, exploração do petróleo em águas profundas etc). De 1985, até o dia de hoje, predomina o interesse PARTICULAR e temos os escândalos semanais. Escândalos envolvendo a corrupção, o roubo, o sexo, o poder e defesa da inversão de valores. Trocaram os dez mandamentos da Lei de Deus: 1°) amar a Deus sobre todas as coisas, mas, lutam por acabar com ELE; 2°) não tomar Seu santo nome em vão, mas apelam para ELE, na hora da morte com medo do inferno; 3°) guardar domingos e festas de guarda, mas, não trabalham também, às segunda e sexta-feiras; 4°) honrar pai e mãe, mas estão destruindo a família 5°) não matar, mas, a violência mata todos os dias da semana, aumentando a “produção” aos sábados e domingos; 6°) não pecar contra a castidade, mas pregam o amor livre para as filhas dos outros; 7°) não roubar, mas roubam do Estado, do vizinho e especializam-se em aumentar o preço das obras públicas; 8°) NÃO LEVANTAR FALSO TESTEMUNHO, mas criam a nova filosofia: A MENTIRA É A VERDADE ; 9°) NÃO DESEJAR A MULHER DO PRÓXIMO, mas agora é moda trocar de mulher por mulher nova, cheirosa e cintura fina e 10°) NÃO COBIÇAR AS COISAS ALHEIAS mas, por isso, oficializou-se o roubo do dinheiro público.

GRUPO GUARARAPES

Nenhum comentário:

Postar um comentário