Páginas

sábado, 17 de dezembro de 2011

Um animal ...

A mídia, televisiva e impressa, divulgou, ontem, a morte, por espancamento, de um animalzinho, filhote canino, por conta de um pretenso estresse da agressora, tida por enfermeira, que foi filmada por quem trabalhava em sua casa, morte que se deu, com ar de sofrimento e tristeza, ao canto da casa.
Li manifestações repreensivas, várias.
Um animal, notadamente canino, quando interage com o homem, a ele demonstra sinais de alegria, confiança e segurança.
Qualquer quebra nestes sinais, retira do animal seu senso de orientação no espaço e na vida.
Imagine, quem me lê, a sua própria perda no espaço! Quão desorientado não ficará!
Imagine, mais, animais tidos por irracionais que, por questões da criação, não se expressam de outra forma que não por sinais, de modo a demostrarem a sua dor!
A dor é sufocante!
O homem caminha no caminho inverso para a barbárie, atos tais, a rodo, se tem conhecimento, tanto quanto ao próprio homem quanto aos animais.
A tristeza é muito grande e, quem sabe, o calendário maia não tenha razão e não tenha previsto o fim destas "agressões", para dezembro de 2012, como apregoam os corifeus do apocalipse, daí surgindo um novo homem, com capacidade para compreender o que é respeito, dignidade e honra.
A quem agrediu, e a quem filmou, talvez venham a sofrer a mesma dor que a sentida por aquele desprotegido, em todos os sentidos.

2 comentários:

  1. Jaba...

    Muito bom que tenhas escrito sobre este caso.
    Vi as cenas e, sinceramente, me revoltaram a ponto de desejar que a enfermeira animal venhaa sentir toda a dor e desespero( note como escrevo pq. creio que as criaturas divinas nos compreendem dentro da nossa estupidez.)
    Se a dita enfermeira, o verdadeiro animal, é incapaz de compreender o que a criatura diz alegando que a tirava do sério, certamente será incapaz de compreender o que um paciente portador de alguma deficiência degenerativa no cérebro quer dizer, certamente não terá paciência com um paciente numa unidade neonatal, etc... Se a justiça brasileira desejar poupar uma pessoa ou algum paciente de agressão ou de morte, que a deixe apodrecer pagando uma pena pesada do tipo, trabalhar voluntariamente num abrigo para cães, pq. quem maltrata um "bicho, sem sombra de dúvida, maltrata uma pessoa.
    Quanto ao fato de ter cometido o crime na frente do filho(a) esqueceu a energúmena que esta criança crescerá e ela poderá, quando mais velha, dar à mãe idosa mostras de como aprendeu quando pequena como se trata um ser vivo incapaz.

    abs.

    sicário

    ps: amanhã comentários sobre o comuna.

    ResponderExcluir
  2. Politica sem medo disse...
    Meu caro Jaba, com grande pesar tambem fiquei boquiaberta com tanta maldade numa criatura humana. Chorei ate, na impotencia que senti. Certamente que voce assim como eu somos pelo carinho e amor a essas indefesas criaturas de Deus e que tanto nos dao alegrias. Confeso-lhe que fiquei deprimida demais, mesmo porque estou doente e nem tenho podido postar. Nao fique triste, nao pois esse animal nao sofre mais. O pior e que esse monstro tem outros caes e certamente costuma fazer isso, pois sua vizinha sempre ouve os latidos! Vizinhos omissos!
    17 de dezembro de 2011 21:49

    ResponderExcluir