Páginas

quinta-feira, 28 de junho de 2012

Reedição da história ...

Esta palhaçada dos prófugos tupiniquins, acompanhada de mais alguns que se sustentam no poder (em países que não temos porque não respeitar), por conta de demagogias e outras imbecilidades, contra os recentes acontecimentos no Paraguai - presidente afastado pelo "Congresso" local, mediante processo de "juicio politico", art. 225 da respectiva Constituição - já rendeu seus frutos: turma do EMBRAPA do Mato Grosso, acompanhada de empresários, cancelou sua participação na EXPO 2012 naquele País, como, também, o governo do Equador (notícias de ontem divulgadas pelo jornal Ultima Hora do Paraguai). E ainda, notícias de hoje, do mesmo jornal, uma tal de UNASUR decidiu por não permitir "la participación de representantes paraguayos en la reunión extraordinaria a realizarse en Mendoza, Argentina, alegando que es una decisión 'sin sustento juridico'."
A imbecilidade, pois, prossegue, com mais uma afronta à nossa Constituição, na interferência em assuntos internos de outro país, valendo-se, por ora, de questionáveis argumentos de um "duvidoso bloco local atual"... que dele já suspendeu a participação paraguaia.
No governo do energúmeno teve a ver com Honduras, quando - como dissemos - nossa Embaixada fora transformada em hospedaria, criando-se um novo movimento, o MSP: Movimento dos sem presidência.
Posições decentes de governo e de diplomacia, ditam e demonstram quão maduro e respeitável, em política internacional, é o País que representam, pois que, no caso específico, em resumo, mais do que resumido, deveriam se limitar à acompanhar os fatos e os seus efeitos - negativos ou positivos - para os interesses internos, e daí, pois, posicionarem-se.
De se concluir, que os idiotas rompantes ideológicos retrógados nada mais representam que não a reedição, abestalhada tupiniquim - sem o dedo inglês - da tríplice aliança.
Está na hora de acabar com tanta falta de vergonha e de respeito para com o País.

terça-feira, 26 de junho de 2012

Retornando ao virtual ...

Retornando ao virtual, deparei-me com uma notícia da Agência Brasil, pela qual o Lewandowsky teria liberado, hoje, o processo do mensalão, já que revisor do mesmo, ou seja, do relatório do Joaquim Barbosa.
A matéria, reportagem de Débora Zampier, é das 15h38, e traz palavras a ele atribuídas de que "é o voto revisor mais curto da história do Supremo Tribunal Federal. A média para um réu é seis meses. Fiz das tripas coração para respeitar o estabelecido pela Suprema Corte."

Fui confirmar no site do Supremo, e lá não consta a notícia, mesmo tendo sido obtida no meio da tarde.

De qualquer forma, sem duvidar da reportagem, há pouco confirmada no noticiário noturno, e independentemente do presidente das togas superiores, contrariando suas palavras anteriores, ter agora afirmado que o julgamento terminará no mesmo mês de início do julgamento - agosto -, o que não acredito, e de o revisor ter dito que fez das tripas coração, o que nada sensibiliza ou significa, porquanto a sua única obrigação é julgar - e não ficar passeando por ai  ou dormitando processos, ou fazer das tripas coração para liberar processos -, se o julgamento ocorrer depois do dia 22 de agosto, o crime de formação de quadrilha estará prescrito, mesmo que a apenação seja pelo máximo da pena.

Tenho insistido na apenação deste crime, e na sua não prescrição, porque os demais denunciados dele são conseqüência: é difícil, inconcebível, imaginar as figuras de corrupções ativa e passiva, mais lavagem de dinheiro, sem o concurso de outros colegas de profissão; tais crimes, na ótica penal, são crimes que não têm como ser praticados pelo "eu sozinho". E assim, condenando-se, mas deixando-se de condenar por conta da prescrição, as demais apenações não sofrerão esse "agravamento de pena".

Acabou de ser noticiado que o julgamento começará no dia 2 de agosto (jornal nacional, jornal que estou assistindo, por acaso).

Na minha visão, idiotice ou o que seja, a condenação e apenação pelo crime de formação de quadrilha é o que de pior poderia acontecer para essa corja; ficaria mais do que claro, evidente, inquestionável, que o País foi tomado e assaltado por uma quadrilha de reles bandidos e cafajestes e, com a condenação, os colocaria no zero frente a uma hoste de abestados e amentais; zero, pois, de credibilidade, e outras cretinices, então impostas, quadro este, diante dos mais amentais dos amentais, quiçá daqueles dos interesses escusos, que permitiria a eles concluir, no seu quase inexistente discernimento das coisas, que os "seus mentores" não passam de meros cafajestes, iguais àqueles que os roubam, no seu pequeno universo, e que deles têm conhecimento pleno, porquanto, as coisas, no mais das vezes, são resolvidas "à contento".

Estive e estou com todos que sempre lutaram pelo pronto julgamento e apenação; minha tristeza reside no que o pior dos crimes não será apenado; como dito em matéria outra, espero estar errado, totalmente errado, porquanto não quero escrever um epitáfio: aqui jaz um supremo ...

Hipocrisia no Supremo

Final do ano passado, depois de manifestação de decente parcela da sociedade, o relatório do mensalão é liberado, pelo relator, para os demais pares das togas superiores.

Ao segundo mês do ano, publica-se entrevista com o revisor, na qual, além de se registrar que somente cuidaria do processo a partir de abril, por conta dos seus afazeres no eleitoral, solta a infeliz pérola da eventual prescrição de alguns crimes.

Desconsiderando-se, aqui, voto já preparado, ou troca de opinião com o relator, o que já tratei em matéria passada, seguiu-se a aparente satisfação para a platéia, com afirmações do presidente da corte de que lá não se julga por pressão, que o julgamento será conduzido sem ânimo prévio da absolvição ou condenação - fantástico! - ,  e que o mesmo deveria ser julgado somente no segundo semestre (do que também já falei anteriormente), interferência do energúmeno tentando o adiamento do julgamento para depois das eleições de outubro, junto a alguns ministros da corte, nova manifestação de parcela de decentes, pelo rápido julgamento do processo, reunião administrativa da corte para definir as fases do julgamento e, por último, a troca de ofícios entre o presidente "supremo" e o revisor do processo, este último dizendo, em outras palavras, que não aceita pressão para se pronunciar e que não o faz prematura ou tardiamente, para se "evitar julgamento de exceção" - fantástico, novamente!

Enquanto isso o Supremo mais se desmoraliza, beneficiados, apenas, os 38 réus que não serão condenados pelo crime de formação de quadrilha; o processo, sem ser cético, não será julgado até o dia 22 agosto, por inviabilidade, mesmo, do tempo, que se faz curto na sua utilidade.

Fatalmente entrará na fase eleitoral, três ministros da corte também oficiam no eleitoral, daí que ....

A hipocrisia chega ao ponto de se falar em julgamento histórico; não há como se considerar histórico julgamento penal de uma reles quadrilha que cometeu crimes que não trazem especialidade alguma para que assim sejam considerados, são crimes que se praticam no tempo que já se perdeu no tempo.

Histórico será o Supremo condená-los e mandá-los para atrás das grades por um bom período, por tempo que espero suficiente para apodrecê-los, recuperando todo montante, incluindo bens, adquiridos com seus crimes. Isso sim, além de fantástico, é que seria (espero que seja) histórico, e não o fato de estar em julgamento um bando de safados, no exercício ou não de "cargos políticos".

A confissão do crime veio agora da boca do cara que está governando lá pelo sul. Disse o sujeito, em entrevista a um site de esquerda, chamado carta maior (matéria do Estadão.com):


MENSALÃO:'AQUI O VICE RECHAÇOU OS GOLPISTAS'
"Lá, eles tiveram sucesso porque o Presidente Lugo não tinha uma agremiação partidária sólida e estava isolado (...)A conspiração contra Lugo estava no Palácio, através do Vice (...)
Aqui, eles não tiveram sucesso porque - a despeito das recomendações dos que sempre quiseram ver Lula isolado, para derrubá-lo ou destruí-lo politicamente - o nosso ex-Presidente soube fazer acordos  com  lideranças  dos partidos fora do eixo da esquerda... 
Seu isolamento, combinado com o uso político do"mensalão", certamente terminaria em seu impedimento. Acresce-se que aqui no Brasil - sei isso por ciência própria pois me foi contado  pelo próprio José Alencar- o nosso Vice presidente falecido foi procurado pelos golpistas "por dentro da lei" e lhes rejeitou duramente' 
(Governador Tarso Genro;leia artigo oportuno no momento em que Lula é questionado por alianças e se exige um julgamento à moda paraguaia do mensalão; nesta pág)
(Carta Maior; 3ª feira/26/06/2012)


Se essa não for a maior confissão que já se fez da criminalidade explícita da inominável corja, talvez imbecilmente, por achar que crimes podem ser alardeados sem quaisquer conseqüências, sinais exteriores de esperteza, não sei mais qual o real significado de uma confissão, livre dos vícios legais, tão a gosto de serem invocados pela turma das togas.

A confissão serve, porém, para que não escreva mais sobre a demagogia retrógada do governo de prófugos e dos seus "colegas" que seguem a mesma cartilha em outros países vizinhos, no que toca aos recentes acontecimentos no Paraguai. Por ela, e nas palavras do "confessor", o impedimento do Collor foi um golpe de estado, com ampla participação do partido dos trapaceiros.

De qualquer forma, gravarei todo o julgamento, esperando não fazer um epitáfio com os seguintes dizeres: aqui jaz um supremo ...  

segunda-feira, 25 de junho de 2012

A conversa entre Lula e Obama ... (2009)


Lá por 2009 circulou, pela internet, a suposta conversa que teria acontecido entre o Obama, Presidente dos EUA e o então führer brasileiro, seu Lula da Silva, que deve ter sido muito complicada, já que o führer  não fala inglês e o Obama não fala português.
A conversa que, segundo o Planalto, teria girado em torno de biocombustíveis e a Rodada de Doha, deve ter sido algo parecido com:

Obama - Hello, this is the president of the United States, Barack Obama. I would like to talk to president Lula, please.

Lula - Puta merda, fudeu. Chama aquele barbudinho que parece um periquito.

Franklin Martins - O Celso Amorim?

Lula - Acho que é, são tantos ministros, puxa sacos... Deve ser esse mesmo. Chama o periquito porque tem alguém falando ingrês no telefone, porra. Eu só falo brasileiro.

Obama - Lula, is that you?

Lula - Me Lula, sim. Posso te chamar de Barack? You, Barack? Me, Lula?

Obama - I beg your pardon?

Lula - Beque pardal? (para Franklin) Bota uma música de espera, porra, enquanto o periquito não vem. Você não seqüestrou um embaixador americano? Você não fala ingrês, não, seu merda?

Franklin Martins - Não me dou com os imperialistas, mas eu mesmo posso fazer a música. Sou comunicador (coloca a boca no telefone): "caminhando e cantando e..."

Lula - Canta outra, merda, você só sabe essa. Toda vez é a mesma, isso tá ficando um porre.

Franklin Martins - Mas o senhor gosta de porre, presidente!

Obama (para assessores) - I think I hear some voices... Lula?

Franklin Martins - (cantando) "apesar de você amanhã há de ...". (alguém entra) O Celso Amorim chegou, presidente. Ufa.

Lula - Porra, seu inútil, vem logo traduzir esta merda de conversa. Já passou um tempão. Uns 10 minutos. Onde você tava, caralho?

Celso Amorim - Desculpa, presidente. É que eu nunca sei quando a tarefa é minha ou do Marco Aurélio.

Lula - Marco Aurélio... hum, é o ministro da Fazenda?

Celso Amorim - Não, da Fazenda é o Mantega. Marco Aurélio é aquele do top, top (faz o gesto). Tá lembrado, presidente?

Lula - Claro. Foi engraçado pra caralho. (começa a fazer o gesto top top). Hahaha. Se não fossem esses sanguesungas da imprensa...

Obama - My God. I have a million things to solve and they don’t answer me. Hillary, can you help me here?

Lula - Começa a traduzir aí, periquito. Pergunta se ele quer conhecer a nossa caninha 51.

Celso Amorim - Presidente, não acho que esta seria uma boa...

Lula - Pergunta, porra. Eu tô mandando.

Celso Amorim - Good morning, president Obama. President Lula would like to ask if you want to come and visit us to learn about our little sugarcane fifty one.

Obama - What?

Celso Amorim - Ele disse que adoraria.

Lula - Eu sabia! Esse negão não me engana! Pergunta quantas rodadas de caninha ele agüenta.

Celso Amorim - Rodada?

Lula - É, seu puxa saco. Vira-vira de cachaça, cada hora um. Rodada de caninha!

Celso Amorim - How many rounds of little sugarcane fifty one can you drink, Mr. President Obama?


Obama - Rounds of what? The only round I know is the Doha Round.

Celso Amorim - Ele disse que agüenta (cara de desespero)... o dobro de V. Exa.! Isso! Doha, dobro, é tudo a mesma coisa, presidente Lula.

Lula - Eu disse! Esse é o cara, mas ele não me ganha, não. (alguém abre a porta) Ô Marta Suplicy, vem aqui pra eu te apresentar o Obama!

Franklin Martins - (falando ao pé do ouvido do presidente) É a Marisa Letícia, sua esposa, presidente.

Lula - Caralho, toda hora eu faço essa confusão. Qualquer dia eu vou me sifu...

Obama (para Hillary Clinton) - Hillary, it was the craziest conversation since I was elected. Being president is harder than I thought!

Obama desliga o telefone.

Lula (para Franklin Martins) - Divulga uma nota aí, dessas pra jornalista comprado, contando da minha conversa com o Obama, porra. É tarde, vou dormir... 

Franklin Martins - E o que dizemos para a imprensa? 

Lula - Inventa qualquer coisa, caceta, ou deixa cada uma inventar o que quiser. O que importa, porra, é saberem que o Obama me ligou.

sábado, 23 de junho de 2012

Mandei pro Laguardia ...

Um dos "blogs" que sigo, tal como os outros, por que tem hombridade.


Comentários de terceiros enviados para o Laguardia:


iNFORMATIVO NOSSO NEWS disse...

Golpe é sua chamada da matéria, Dilma não apóia golpe de reacionários, afinal ela já foi vítima de reaças que provocaram as piores desgraças neste país e o atrasaram pelo menos 50 anos.




Diz Laguardia:
Ao interferir no processo democrático do Paraguai, indo contra a constituição e as leis daquele país, Dilma apoiá sim um golpe contra as instituições democráticas de um país vizinho.


O processo de impechment de Fernando Lugo (que aliás o próprio aceitou), feito dentro da Constituição e leis paraguias é assunto interno do Paraguai.


Reacionário, na língua portuguesa, é quem quer manter o status quo. No Brasil não há partido mais reacionário do que o PT que se alia ao que de pior temos na política brasileira, ou seja o coronelismo de José Sarney, de Jader Barbalho, de Renan Calheiros, aos esquemas de corrupção de Paulo Maluf, de José Dirceu, Fernando Pimentel e do próprio Luiz Inácio Lula da Silva.
O período militar teve problemas e problemas sérios relativos a liberdade de expressão, No entanto afirmar que atrasou o Brasil 50 anos é desconhecimento total da história do Brasil.
Se hoje o Brasil é considerado avançado em telefonia, em geração limpa de energia (Itaipu e outras grandes usinas hidroelétricas), se hoje temos um sistema de seguridade social (INSS), um sistema de financiamento da casa própria, FGTS e tantos outros avanços se deve ao governo militar.
O INSS, o Sistema Financeiro da Habitação, o Fundo de Garantia por Tempo de Serviço e tantos outros benefício ao trabalhador e ao povo brasileiro foram criados após 1964 e antes de 1980.
Este é o problema do lulo petismo. Falta a eles o conhecimento da história recente do Brasil.
O lulo petismo não sabe o que é democracia por isto se alia aos movimentos ditatoriais e genocidas que ainda persistem em nosso mundo.
Ou o Brasil acaba com o PT ou o PT acaba com o Brasil.
Digo eu:

Olá Laguardia,
Vi a matéria e os cincos comentários; você destacou este.
Sinceramente não sei em que País vive quem este lhe enviou.
Dizer que "Golpe é sua chamada da matéria, Dilma não apóia golpe de reacionários, afinal ela já foi vítima de reaças que provocaram as piores desgraças neste país e o atrasaram pelo menos 50 anos", só sendo fruto de mentes mais jovens, apanhadas pelo abestalhamento criminoso oficial ou, realmente, abestados contumazes, com interesses outros, já mais velhos.
Dilma não foi vítima de "porra nenhuma" (desculpe as palavras), nem o País se viu atrasado, pelo contrário; hoje, para desonrar quem honra o País, o País é um País de bandidos e de párias.
Afinal, o que significam honra, caráter e dignidade para quem diz o que destacado no início de sua matéria?!
Parabéns por ela; só discordo quando dizes com relação à "problemas sérios relativos à liberdade de expressão"; brizola e marighela divulgavam suas imbecilidades comunistas nas rádios e jornais, sem nenhuma censura; quando a coisa ficou feia, a sociedade reclamou o freio, e aí tinha que se dar um basta. Até hoje as imbecilidades idolatradas pelo mentor daquelas linhas se fazem presentes em cantos outros disseminados pelos "criminosos atuais".
Honduras, no governo passado, foi palco de interferência em assuntos internos, com a embaixada transformada em hospedaria ...
Ninguém, das linhas destacadas, se posicionou...
É, talvez, quem sabe, alguém que desfruta dos criminosos financiamentos "oficiais" ou das "bolsas vagabundos" ou qualquer outra "besteira", já lugar comum no dia a dia.
De qualquer forma, quem não conhece a história ou quem a relega, para tristeza nossa.
Abs.,
Flávio

L&M II (Lula e Maluf)


- Nova dupla Sertaneja -

Latrina e Merda

quinta-feira, 21 de junho de 2012

Comentários do Sicário em " será que um dia deixará de existir ...


Flavio...


Diz o enunciado que " na natureza nada se cria, nada se perde, tudo se transforma" e com o advento da mudança climática podemos vislumbrar nas ruas, as marchas transformadoras da sociedade transmutando seres quase pensantes em total imbecilóides. É ridículo, rizível o encontro de líderes mundiais na reunião Rio + "quantos niguém sabe, ninguém viu". Indígenas aculturados com rostos pintados para a guerra, mascarando sua real etnia, participam de um evento sobre a salvação da natureza como legítimos defensores dela. Culturalmente índios estão em comunhão com a natureza, são seres ditos e tidos como puros, ingênuos; teoricamente índios subsistem da pesca, da caça, plantação de mandioca ou aipim (fica a critério da região do Brasil) mas na realidade, índios vivem da venda de madeira de suas reservas permitindo também a exploração de minerais valiosos e plantas mas os índios estão lá defendendo a natureza na  Rio + "ninguém merece". 

Lembro que para defender a natureza tem que ter peito, mesmo murchos e caídos, como aqueles de mais uma marcha deprimente, de péssimo gosto e apelativa onde as participantes com seios (ou coisas parecidas com isto) à mostra, soltos aos vento, defendem o direito de ridicularizarem-se pq. mulheres que se permitem a protestar desta forma, de peito literalmente aberto, mas esconden-se atrás de pinturas, máscaras e óculos, não são dignas de crédito. Ao escrever sobre índios e peladas, lembrei-me dos maconheiros que aportaram no Rio de Janeiro, somando-se aos que ali existem; pois estes também são amantes da natureza.  Eles são a favor da natureza e do vício e se  acham no direito de defender que se abram clarões na mata para que ali, clandestinamente, seja cultivado o arbusto, motivo de seus reclames jurídicos. 

Pelo teor das marchas, pelos participantes, nota-se que a Rio + "que nojo" virou um forum social mundial

Nossas verbas se esvaem nas marchas libertárias apoiadas por políticos e por pseudo-intelectuais que pensam pensar o novo.

Os politicos é desnecessário comentar, a marcha deles é nos tapetes com holofotes e repentinamente todos se transformaram em defensores do planeta pois até Ahmadinejad, que deseja riscar Israel do mapa, se tranformou num ecologista. Um certo "presidente" africano veio com uma delegação gigantesca fazer turismo na cidade maravilhosa e outro, segundo informações da coluna de CH, estaria recrutando pessoas para aplaudi-lo enquanto desfila no evento. Políticos estimulam e manipulam as marchas de maconheiros, homos, vadias e de qualquer causa que revele a hipocrisia humana. Ninguém é defensor da natureza, todos são predadores. 

Para fazer o papel branco dos cartazes das marchas, o papel que enrola o baseado são necessários centenas de litros de água pura e, obviamente, árvores, mas os defensores estão aí....desculpe o termo Flavio :

NA HORA DE LIMPAR A BUNDA NINGUÉM LEMBRA DA ÁRVORE.


abs.


Sicário


Amigo, que já chamo de Irmão.
Na hora de limpar a bunda, ninguém se lembra é da bunda que tem, e nem da árvore que lhe traz o asseio, mas da bunda que, de tanta merda, não tem como ser limpa, porque não lhe falta "papel", mas inteligência, honra e caráter.
Mandei para o Noblat e para o Anselmo, o que se vê abaixo, está no blog. Não sei se será publicado nos respectivos espaços, pouco importa...

Maconhobrás ..


Como o governo não tem política para nada, talvez se inspire na figura do "expoente - lugo - paraguaio" e crie mais uma estatal, para regularizar, no social, o consumo e a distribuição da venenosa - político para presidi-la não falta, tem à rodo -. Maconhobrás: drogas para todos e uma feliz "viagem", com direito à distribuição pelo SUS e dedução de despesas médicas, no imposto de renda, por conta da rebordose final.

O que importa é divulgar as imbecilidades e hipocrisias, e oferecer caminhos para que não mais floresçam. 
Aqui a coisa fica feia e complicada. Como fazer? "Democraticamente", não faço a menor idéia (mantenho, por princípios, a ortografia antiga); medidas drásticas, talvez fossem as mais adequadas.
Dirão: - não tem mais espaço para isso  ... - E daí? Continua o que aí está?! Com defensores da ordem constitucional constituída? "Ordem" que já se perdeu na podridão dos putrefatos?
Meu caro Irmão: o País já se perdeu na podridão dos podres, e não vejo saída que não defenestrá-los para o lugar de costume.
Como disse na matéria:

Considerável parcela da sociedade, porém, se guia pelos sentimentos que forjaram o seu caráter, a sua honra, a sua hombridade, imune, pois, ao insidioso processo em que se pretende "a derrocada dos princípios e valores", como final resultado; com ela ainda se permite que a beleza da natureza, na sua pureza e grandiosidade mantenha, mesmo diante de pretendidas violações "da alma", o honrado curso da decência, e assim deverá prevalecer.'

E é essa parcela que permite, se pense, caminhos que se apresentem e que tragam ou retornem às linhas da decência e dos princípios.
Tenho, para mim, que não há outro caminho, que não o de se "levantar" e por fim a essa criminalidade, além de demagógica, altamente prejudicial ao País, outrora já honrado, e que continuamos a honrar, por nossa lídima formação, independentemente dos criminosos que tentam destruí-lo e dos imbecis que nada sabem.
É esse o meu propósito.
Quanto ao mais, o ridículo se encarrega ..., e cabe, a nosotros, não permitir que o ridículo continue ...

Maconhobrás ..


Como o governo não tem política para nada, talvez se inspire na figura do "expoente - lugo - paraguaio" e crie mais uma estatal, para regularizar, no social, o consumo e a distribuição da venenosa - político para presidi-la não falta, tem à rodo -. 


Maconhobrás: drogas para todos e uma feliz "viagem", 
com direito à distribuição pelo SUS e dedução de despesas médicas, 
no imposto de renda, por conta da rebordose final.

quarta-feira, 20 de junho de 2012

... será que um dia deixará de existir???!!!


Não me refiro ao Rio+20 ou -20, como já diz a imprensa, ou qualquer outra hipocrisia que transformou a cidade num caos, fazendo com que um bando de desocupados, de sindicais ou não, a transformasse na babel da imbecilidade, com marchas de toda ordem, em detrimento da seriedade dos sérios; ontem da maconha, não sei o que tem a ver com sustentabilidade, disseram até que a viadagem se fez às ruas, além de outra de uma turma de jovens vagabundos, deturpando a história, marchando contra a ditadura - das mesmas, se realmente ocorreram, não sei o que tem a ver com sustentabilidade; e hoje, de algo que nem deu para entender, no centro da cidade, tinha até faixa contra a política no Paraguai!

Refiro-me, aqui, às águas da decência que, do jeito que corre o nefasto comportamento criminoso, no que dizem "abençoada Nação", de uma "Política" transformada em quadrilha, em organização criminosa, apodrecendo poderes já apodrecidos, com seus reflexos "em uma sociedade" já com avançados sinais de putrefação, sugere que deverá deixar de jorrar, que deverá secar frente à imensurável e incontestável ausência de vergonha e de caráter que ditam, já se vão alguns anos, o dia a dia do País.

Considerável parcela da sociedade, porém, se guia pelos sentimentos que forjaram o seu caráter, a sua honra, a sua hombridade, imune, pois, ao insidioso processo em que se pretende "a derrocada dos princípios e valores", como final resultado; com ela ainda se permite que a beleza da natureza, na sua pureza e grandiosidade mantenha, mesmo diante de pretendidas violações "da alma", o honrado curso da decência, e assim deverá prevalecer.

A cascata em questão, que registrei através de lentes cansadas, localiza-se na bela cidade serrana de Canela, RS, cidade de gente decente e honrada, pelo menos a que conheci, que não foi pouca.

sábado, 16 de junho de 2012

Cenas da vida ... passe tatu ...

(14.06.12).
Hoje, ao sair do escritório para voltar para casa, utilizei-me do "passe tatu", aquele que permite o acesso ao metrô.
Ao chegar à plataforma, após descer as escadas, deparei-me com uma Senhora, já arqueada pelo peso do tempo, sobre uma cadeira de rodas, parecia motorizada: 1.0, 1.4, 2.0, 3.8, 4.8, V.6, V.8., flex ou não, quem sabe?! Era movida à bateria.
Olhando ao redor, verifiquei que os demais usuários, presentes na plataforma, dela mantinham uma distância que se pode chamar de "segurança", "indiferentes", algo como - isso não é comigo - totalmente diferente de outras observações quanto à aglomeração que se forma, quase "cheirando o cangote" - se isso não acontece - quando ausentes quem precisa de atenção.
Por ali fiquei, aguardando o "tatu".
Enquanto isso, mais e mais chegavam e, ao avistarem a arqueada Senhora, na sua cadeira de rodas, mais dela se afastavam; parecia doença contagiosa.
Dela me aproximei e perguntei:
- A Senhora está sozinha? (pergunta besta).
- Sim, estou, ninguém me ajudou (os presentes na estação e na plataforma - que continuavam afastados - e os "seguranças" do "tatu").
Disse, então: 
- Vou ajudá-la a entrar no "tatu" (ela riu e agradeceu).
O trajeto, até a estação que deveria desembarcar, se desenvolveu com um bate papo dos mais agradáveis,  risos e piadas, ironias e sarcasmos - que parece a mesma coisa - algo raro, considerando-se uma Senhora, avançada no tempo, pilotando o seu possante, com seus conhecidos e claros problemas, como se tudo fosse a alegria da vida, e o prazer de com alguém conversar.
Chorei na alma, ao olhar para o vagão e para os presentes, indiferentes; salvo um, que participou do colóquio, proporcionando feições de alegria a quem trazia feições de tristeza e abandono.
Próximo do destino, a Senhora me perguntou:
- Como vou sair, com tanta gente à minha frente? O Senhor me ajuda?
- Claro! - respondi.
- Basta engatar a primeira, e vamos em frente.
Ao chegar ao seu destino, ajudando-a a desembarcar, ela se volta e me diz:
- Que Deus o abençoe e o  faça feliz! Ninguém, faz tempo, me trata assim!
Olhei, pensei, e respondi (talvez não fossem as palavras):
- Minha felicidade é ver a Senhora passando para frente o 2.0!
Ela riu, me abençoou novamente, e seguiu a sua vida.
E os presentes, como dantes, indiferentes, continuaram.
E aí a lição da vida, pelo menos para mim: cada um retire aquela que lhe atingir a alma.
Para mim, foram momentos de pura alegria; chorei depois, e continuo chorando, quando trago na lembrança a indiferença, e me pergunto: ...???

quarta-feira, 13 de junho de 2012

Supremo x Mensalão

Dia 6 passado o Supremo, em sessão administrativa (presentes 9 ministros, ausentes, por motivo de viagem, Lewandowski e Tofolli), definiu, sem divergências, o calendário de julgamento do mensalão, na crença de que o Lewandowski libere o processo antes do recesso, isto é, até o início da última semana deste mês, ou seja (fonte: site do Supremo):

"Pelo cronograma aprovado, serão nove sessões, até o dia 14 de agosto, para sustentações orais – do procurador-geral da República, Roberto Gurgel, e dos advogados dos 38 réus. A fase de votação deve começar no dia 15.
A decisão foi unânime, a partir de proposta apresentada pelo ministro Celso de Mello – decano do Tribunal.
As sessões terão cinco horas de duração, com início às 14h. No primeiro dia, o ministro Joaquim Barbosa, relator, fará a leitura de uma síntese do relatório. A seguir, será a vez do procurador-geral da República, Roberto Gurgel, que terá até cinco horas para sua manifestação.
No dia 2 de agosto (quinta-feira), começam as sustentações orais dos 38 réus. Cada advogado terá até uma hora para apresentar a defesa no Plenário do STF. Na sexta-feira, dia 3, não haverá sessão. A partir de segunda-feira (6 de agosto), as sessões serão diárias – de segunda a sexta-feira –, com cinco sustentações orais por dia.
Nessa fase concentrada de sessões diárias, as sessões das duas Turmas do STF serão realizadas nas manhãs de terça-feira. As sessões do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), das quais participam três ministros do STF, serão iniciadas às 20h, e não às 19h, como de costume, segundo informou a presidente do TSE, ministra Cármen Lúcia Antunes Rocha.
No dia 15 de agosto, deve começar a fase em que serão proferidos os votos dos ministros. Nessa etapa, as sessões serão realizadas três vezes por semana (às segundas, quartas e quintas), a partir das 14h. Segundo o ministro Joaquim Barbosa, não há previsão de quantas sessões serão necessárias para concluir o julgamento.
O relator será o primeiro a votar, no dia 15. Depois dele, vota o revisor da AP 470, ministro Ricardo Lewandowski, e, em seguida, a votação segue por ordem inversa de antiguidade, da ministra Rosa Weber, a mais nova na Corte, até o ministro decano, Celso de Mello, sendo o presidente da Corte, ministro Ayres Britto, o último a votar.
A validade do cronograma aprovado foi condicionada à liberação do processo pelo revisor, ministro Lewandowski. Logo após a sessão administrativa, o ministro confirmou, por meio de sua assessoria, que concluirá seu voto até o final deste mês.

Considerando-se as notícias acima, destacando-se a do relator do processo, no sentido de que "não há previsão de quantas sessões serão necessárias para concluir o julgamento" - isso a partir do dia 15 de agosto - e outra, do mesmo site, no sentido de que o Supremo não julga sob pressão (palavras recentes do Presidente da Corte), está claro (espero estar errado), que o Supremo não terminará o julgamento do processo no dia 22 de agosto, prazo máximo para se evitar que prescreva o crime de formação de quadrilha, pelo máximo da apenação - 3 anos (a denúncia foi oferecida, e recebida, em 22 do mesmo mês de 2007).
E aí a coisa fica feia: com a prescrição absolutória não se pode condenar pelo crime que se é acusado - não há como se condenar crime já apanhado pela prescrição -; crime apanhado pela prescrição, e não passível de condenação, é crime que não enriquece a "ficha limpa", folha corrida, dos pródigos da criminalidade; em assim sendo, será interessante observar o baile das togas com relação aos demais crimes, já que somente poderiam ter ocorrido com a participação de vários intrépidos na jornada. Por exemplo: crimes de lavagem de dinheiro, corrupção passiva e ativa, não se praticam no eu sozinho, mas com a participação de "colegas de profissão"; provável apenação, pois, para estes crimes, sem a agravante do crime anterior prescrito.
Desconsiderando a interposição de recursos, após o julgamento que se anuncia próximo, mandando, mais para a frente, o julgamento final da causa, não haverá, por estas precárias linhas, condenação e apenação pelo crime de formação de quadrilha.
Não consigo ultrapassar o meu ceticismo, no que toca ao resultado da empreitada. Repito: espero, realmente, estar errado, e que ninguém - aqui me refiro a qualquer ministro - peça vista do processo, se por acaso já não se fez proibido tal expediente.