Páginas

sexta-feira, 28 de setembro de 2012

Barbosa x Lewandowski


Supremo. Processo do Mensalão. Sessão do dia 26. Sessão inteiramente tomada, mais uma vez, para leitura, pelo revisor - Ricardo Lewandowski -  do seu longo, enfadonho e desnecessário voto, já que boa parte acompanha o voto do relator - Joaquim Barbosa -, o que pode ser chamado de reprovável comportamento. 

Como já disse em outras oportunidades bastava, para um bom julgamento, para um bom juiz, experimentado nas lides, dizer que acompanhava o relator nos pontos que o acompanhava; naqueles que não aí, sim, faria a leitura de suas longas linhas, sem provocações, sem dizer que não há provas ou que o relator não as examinou etc, salvo, evidentemente, pretensões afloradas de ser considerado como uma prima donna  ...

Aliás, já que sempre gosta de ressaltar que fez uma "análise vertical dos autos", se fizesse, quem sabe, uma "análise horizontal" ou talvez uma "análise oblíqua dos autos", a coisa não andasse melhor ...

Os embates entre ele e o relator, no viés provocativo que surge do desnecessário abuso do tempo pelo revisor, levam à mediocridade do comportamento e ao desrespeito à Corte, como aos presentes e aos que assistem ao julgamento, se é que isso conta ...

A conclusão do voto do revisor se desenhou como segue:

Crime de corrupção passivacondenou a José Borba (ex-deputado federal, PMDB), Roberto Jefferson (ex- deputado federal, PTB), Romeu Queiroz (ex-deputado federal, PTB) e Emerson Palmieri (ex-tesoureiro, PTB), na linha do voto do relator;

Crime de lavagem de dinheiroabsolveu aos quatro acusados, divergindo do relator que os condenava também por este crime

Não há dúvida que o cara é muito ruim ...

2 comentários:

  1. OLÁ JABA.

    VOTO VENDIDO DÁ NISSO.

    ABS DO BETO

    ResponderExcluir
  2. Olá Beto,
    Mesmo vendido, é muito ruim e medíocre.
    Abs.,

    ResponderExcluir