Páginas

quarta-feira, 27 de março de 2013

Sem time e sem Estádio ...

O futebol aqui do Rio, que já anda "nas beiras" da mediocridade, vem de receber um forte incentivo: a interdição, ontem, do Engenhão, por prazo indeterminado.

Segundo o noticiário esportivo, a causa da interdição foi a identificação de problemas estruturais na cobertura do Estádio, trazendo risco para  a segurança dos torcedores que por lá se aventurassem.

Ainda segundo a reportagem, o alcaide do Rio dissera que fora "procurado no fim da semana passada pelo consórcio responsável pela construção do Engenhão", comunicando que "vinham monitorando a situação da cobertura desde o início e que a cobertura tinha problemas estruturais de projeto."

Desde o início, e tratando-se de projeto, presume-se, durante e após o término de sua construção, em 2007.

Em 2007, após o Pan, o estádio, que custou R$ 380 milhões aos cofres púbicos (construção iniciada em 2003), passou a ser administrado pelo Botafogo, em parceria, se não estou enganado, com duas empresas estrangeiras. Nos primeiros anos da administração, e segundo o Município, o clube já teria informado à Prefeitura sobre a existência de falhas no projeto da cobertura.

Palavras do Prefeito, na entrevista de ontem: "De acordo com relatórios enviados pelo próprio clube alvinegro à Prefeitura, falhas no projeto da cobertura do estádio já haviam sido detectadas."

Porém, na reportagem produzida pelo Jornal do Brasil, a conversa é outra:

 "Há exatos três anos, o prefeito Eduardo Paes, após uma reunião com representantes do Botafogo, chegou a afirmar que o Engenhão não tinha qualquer problema estrutural e que todas as questões pendentes seriam resolvidas:

'Nenhum dos problemas do Engenhão é de ordem estrutural. Não há risco para os torcedores, que são a nossa maior preocupação. Os problemas que existem serão resolvidos na velocidade certa. Há uma lista deles pronta. Esse foi o entendimento que tivemos nesta reunião. As empreiteiras têm mostrado boa vontade, até porque o Engenhão é uma grande vitrine', disse na ocasião."


Reportagem do O Globo, segue a mesma linha do JB, quando traz no seu caderno de Esportes a informação de que, em Março/2010, o prefeito aqui do Rio se reunira "com diretores da Companhia Botafogo, que administra o estádio, e empreiteiras, para tratar de uma lista de 30 itens problemáticos", entre eles as falhas estruturais da cobertura, fato de conhecimento do alcaide há quase 1 ano: ofício 121 de abril/2009 do Botafogo encaminhado à prefeitura, à secretaria municipal de fazenda - superintendência de patrimônio imobiliário -, ao RioUrbe e ao Tribunal de Contas do Município.

Bom, tirando a provável hipótese de demolição do Estádio, e a anunciada solução de problemas, na velocidade certa, que não se consumou - problemas não resolvidos, agravam a si próprios, além de criarem outros problemas, também não resolvidos - de duas uma: ou os torcedores, que por lá se aventuravam, contavam com o seu anjo da guarda "em dia", ou a turma da incompetência pôs em prática a conhecida teoria do "shitting&walking".

Com as anunciadas dificuldades dos Estádios existentes, para continuação do campeonato, os jogos poderiam ser realizados nos campos do Aterro do Flamengo; pelo menos, por lá, não há possibilidade de riscos à segurança, por questões estruturais.

Uma coisa, porém, é certa: o elevado do Juá não foi interditado ...

3 comentários:

  1. Flavio...
    Sinal de alerta.
    Se não me engano, me corrija se estiver enganado, há algum tempo atrás durante um temporal a ventania derrubou um muro, ou parte dele, no Engenhão. Acredito ter lido esta notícia mas, de qualquer forma, se o muro caiu em função do vento talvez os problemas não estejam somente na cobertura do estádio.
    O único ponto positivo é a prefeitura ter tomado providências antes de um provável desastre.
    Com o ocorrido no Engenhão, não posso deixar de imaginar que frente à Copa das Confederações e o mundial de seleções, em que condições estão sendo erguidas as "novas" arenas? o que estão fazendo, ou melhor, o que estarão deixando de fazer para erguer o mais rápido possível os estádios? Não esquecendo de dizer que a melhor maneira de fazer a verba render é cortar custos...assim alguém conseguirá assistir sossegadamente a uma partida de futebol olhando para o "teto"?
    Eu tô fora!

    abs.
    Sicário

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Sicário,
      Tô fora, também.
      Comentários na página central.
      Abs.,

      Excluir
  2. Olá Sicário,
    Complementando o "tô fora", o "muro" caiu ou ruiu por si próprio.
    Abs,

    ResponderExcluir